Hoje explicaremos o que é e para que serve a licença ambiental. Importante mencionar que licenciamento e licença ambiental são coisas distintas.

A licença ambiental é o documento, com prazo de validade definido, em que o órgão ambiental estabelece regras, condições, restrições e medidas de controle ambiental a serem seguidas por sua empresa.

Desta forma, entre as principais características avaliadas no processo podemos ressaltar: o potencial de geração de líquidos poluentes (despejos e efluentes), resíduos sólidos, emissões atmosféricas, ruídos e o potencial de riscos de explosões e de incêndios, dentre outros.

Nesse sentido, ao receber a Licença Ambiental, o empreendedor assume os compromissos para a manutenção da qualidade ambiental do local em que se instala, bem como os riscos de uma possível degradação ambiental.

  1. Quais os tipos de Licenças Ambientais?

O processo de licenciamento ambiental é constituído de 03 (três) tipos de licenças. Cada uma é exigida em uma etapa específica do licenciamento. Assim, temos: Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO). Esse tópico já foi abordado anteriormente, em um artigo próprio (https://direitodiario.com.br/necessidade-validade-e-etapas-do-licenciamento-ambiental/).

  1. E caso a empresa já esteja em operação e não possua a Licença Prévia ou a Licença de Instalação, como pode ser licenciada?

O empresário deverá procurar o órgão licenciador e expor a situação da empresa. Geralmente o empresário será orientado a requerer a LO, haja vista que os propósitos da LP ou LI já não se aplicam mais neste caso.

No caso da Licença de Operação, esta deverá ser requerida quando o empreendimento, ou sua ampliação, estiver instalado e pronto para operar (licenciamento preventivo), ou no intuito de regularizar a situação de atividades em operação (licenciamento corretivo).

Desta forma, para o licenciamento corretivo, a formalização do processo requer a apresentação conjunta de documentos, estudos e projetos previstos para as fases de LP, LI e LO, no qual normalmente é definido um prazo de adequação para a implantação do sistema de controle ambiental.

  1. Sempre que houver modificação ou implantação de algo na empresa será necessário licenciá-la novamente? Mesmo que já exista licença?

Sim, todavia, somente da unidade a ser modificada ou implantada. No entanto, é importante verificar se a licença já incluiu as unidades e instalações existentes ou previstas nas plantas utilizadas no licenciamento.

Por isso, qualquer alteração deve ser comunicada ao órgão licenciador para a definição sobre a necessidade de licenciamento para a nova unidade ou instalação.

  1. Passo a passo para a obtenção da licença

A primeira providência que o empresário tem que ter é identificar o tipo de licença que sua atividade exige; após a identificação, passa-se à etapa de identificar qual órgão é o responsável pela expedição (ver artigo https://direitodiario.com.br/competencia-para-fiscalizacao-ambiental-lc-14011/); no terceiro momento será necessária a coleta dos dados e informações da empresa; em seguida, realizar o requerimento da licença – abertura do processo; depois a abertura terá que ser publicada em jornal de grande circulação e em Diário Oficial, tendo a empresa 30 dias para proceder essa publicidade.

Publicação em jornal e DO
III – Coleta dos dados da empresa;
IV – Requerimento da licença – abertura do processo;
I – Identificar o tipo de Licença a ser requerida;

 

II – Identificar a quem pedir a licença – órgão responsável;

 

Após o requerimento ser formalizado, o processo de licenciar a empresa será seguido nas seguintes etapas:

I – Análise dos documentos;

II – Vistoria técnica;

III – Emissão do Parecer Técnico deferindo ou não a licença;

IV – Emissão da Licença;

V – Publicação.

  1. Informações importantes:

Após a publicação, a empresa estará devidamente licenciada. Assim, para assegurar a manutenção da sua licença, seguem algumas recomendações necessárias, que merecem muita atenção:

– Observe as restrições da licença, pois o não cumprimento dessas pode gerar o cancelamento e multa;

– Atente para o prazo de validade da licença, e lembre-se, peça a renovação 120 dias antes do prazo de validade (CONAMA 237/97);

– Mantenha uma cópia da licença sempre disponível no local em que a atividade está sendo exercida;

– Controle continuamente as condições de sua operação. Qualquer modificação poderá ensejar em multa.

Referencias

ALMEIDA, Fernando. Os Desafios da Sustentabilidade. Elsevier Editora, 2007.

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

ÁVILA, Humberto. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 20008.

AZAPAGIC, Adisa. Developing a framework for sustainable development indicators for the mining and minerals industry. Jornal of Cleaner Producti

BELCHIOR, Germana Parente Neiva. Hermenêutica Jurídica Ambiental. São Paulo: Saraiva, 2011.

____; LEITE, José Rubens Morato. Sistema Nacional de Unidade de Conservação e a Constitucionalidade da Lei Ordinária do Município de Fortaleza nº 9.502/2009: um estudo de caso. Anais Planeta Verde 2011.

BELCHIOR, Germana Parente Neiva; MATIAS, João Luis Nogueira. Propriedade, Meio Ambiente e empresa: dos condicionamentos ao exercício da empresa em razão do direito ambiental. In: WACHOWICZ, Marcos; MATIAS, João Luis Nogueira. Propriedade e Meio Ambiente: da inconciliação à convergência. Florianópolis: Fundação Boitex, 2011.

_____;______. Fundamentos Teóricos do Estado de Direito Ambiental. Anais do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Direito. São Paulo, 2009. on, v. 12, 2004, p. 639-662.

BELLIA, Vítor. Introdução à economia do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 1996.

BENJAMIN, Antonio Herman V. A insurreição da aldeia global versus o processo civil clássico. Textos: ambiente e consumidor. Lisboa: Centro de Estudos Judiciários, 1996, v.1. 91

 ____. A proteção do meio ambiente nos países menos desenvolvidos: o caso da América Latina. Revista Direito Ambiental, São Paulo, p.83-84, 1995.

 ____. Constitucionalização do ambiente e ecologização da Constituição Brasileira. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes; LEITE, José Rubens Morato (orgs.). Direito Constitucional ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2007.

 ____. Introdução à Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. In: Benjamim, Antonio Herman (coord.). Direito Ambiental das Áreas Protegidas. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

BREDARIOL, Celso; VIEIRA, Liszt. Cidadania e política ambiental. Rio de Janeiro: Record, 1998.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do Direito. Tradução e notas: Márcio Pugliesi. São Paulo: Ícone, 2006.

BOBBIO, Norberto. Direito e Estado no Pensamento de Emanuel Kant. Tradução de Alfredo Fait. 4 ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1997.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. 6 ed. São Paulo: Malheiros, 1996.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2010.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. MS 22.164/SP. Acórdão. Impetrante: Antônio de Andrade Ribeiro Junqueira. Impetrado: Presidente da República. Relator: Min. Celso de Mello. Julgamento: 30/10/1995. Órgão Julgador: Tribunal Pleno.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasil, DF, Senado, 1988.

________. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. DOU de 02.09.1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm>. Acesso em: 10 out.2016.

CAMPELLO, Lívia Gaigher Bósio; SOUZA, Maria Cláudia da Silva de; PADILHA, Norma Sueli. Direito Ambiental no Século XXI: efetividade e desafios. Curitiba: Editora Clássica. 2013.2 v.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Estado Constitucional Ecológico e Democracia Sustentada. In: Revista do Centro de Estudos de Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente — RevCEDOUA. Ano IV, n. 8, pp. 9-16, 2001.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes Canotilho; LEITE, José Rubens Morato. Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2007.

 ____. Privatismo, associativismo e publicismo na justiça administrativa do ambiente. Revista de Legislação e Jurisprudência, vol. 128, n. 3.858, Coimbra, dez. 1995-1996.

 ____; MOREIRA, Vital. Constituição da República portuguesa anotada. 3. ed. Coimbra: Coimbra, 1993.

COWELL, Sarah J.; WEHRMEYER, Walter; ARGUST, Peter W.; ROBERTSON,  J. Graham S. Sustainability and the primary extraction industries: theories ans practice. Ressources Policy, v. 25, 1999, p. 277-286.

CAVALHEIRO, Larissa Nunes; ARAUJO, Luiz Ernani Bonesso de. O Constitucionalismo sob a perspectiva do Direito ao Meio Ambiente ecologicamente equilibrado como ideal da sustentabilidade, in Revista Nomos. Fortaleza, 2014, v. 34, n. 1, p.127-144.

DERANI, Cristiane. Direito Ambiental Econômico. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

____.  Cristiane. A propriedade na Constituição de 1988 e o conteúdo da função social. Revista de Direito Ambiental, n. 27, São Paulo, jul-set. 2002.

 ____. Direito ambiental econômico. São Paulo: Max Limonad, 1997.

 ____,____. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, 2009.

FERREIRA, Leila da Costa. A questão ambiental: sustentabilidade e políticas públicas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 1998.

FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

GARCIA, Leonardo de Medeiros; THOME, Romeu. Direito ambiental. 6. ed. Bahia: Juspodivm, 2013.

GUERRA, Sidney; GUERRA, Sérgio. Intervenção Estatal Ambiental: Licenciamento e Compensação de acordo com a Lei complementar nº 140/2011. São Paulo: Atlas, 2012 (no prelo)

LEITE, José Rubens Morato; AYALA, Patryck de Araújo. Dano Ambiental: Do individual ao coletivo extrapatrimonial. Teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

 ____, ____. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo et.al. Cidadania e meio ambiente: construindo os recursos do amanhã. Salvador: Centro de Recursos Ambientais, 2003.

MACHADO, Vilma de Fátima. A produção do discurso do desenvolvimento sustentável: de Estocolmo à Rio-92. Do projeto à redação final – monografia, dissertação e tese. Tese de Doutorado em Desenvolvimento Sustentável. Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília – CDS/UnB, 2005.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. 18ª ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

____,____.16 ed., 2008

____,____.17 ed., 2009

MARCHESAN, Ana Marria Moreira et alii. Direito ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2005.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo brasileiro. São Paulo: Malheiro, 1992.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente: A Gestão Ambiental em Foco: Doutrina, Jurisprudência. Glossário. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

MILARÉ, Edis. Direito do ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário. São Paulo: RT, 2000.

MONT’ALVERNE, Tarin Cristino Frota; BRANCO, Fernanda Castelo; MOTA, C. R. Direito Internacional: Desenvolvimento, Governança e Sustentabilidade. 1. ed. São Paulo: Cia do Ebook, 2016.

 MONT’ALVERNE, Tarin Cristino Frota; PEREIRA, Ana Carolina Barbosa. Refugiados ambientais e tutela jurídica internacional: algumas considerações. Revista de Direito Internacional / Centro Universitário de Brasília, Programa de Mestrado e Doutorado em Direito do UniCEUB. – vol. 9, nº 3: UniCEUB, 2012.

Ministério Púbico do Estado do Ceará. MPCE ajuíza Ação Civil Pública contra a revogação da Lei municipal que criou a ARIE Dunas do Cocó. Disponível em: <http://www.mpce.mp.br/2017/09/01/mpce-ajuiza-acao-civil-publica-contra-revogacao-da-lei-municipal-que-criou-arie-dunas-do-coco/> Acesso em: 18 set.2017.

PINHEIRO, Ana Claudia Duarte; BASSOLI, Marlene Kempfer. Sustentabilidade econômica e ambiental: um ideal da sociedade internacional. Revista Scientia Iuris, Londrina, v. 9, p. 119, 2005.

SILVA, José Afonso. Direito ambiental constitucional. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2007

TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil. São Paulo: Método, 2011.

TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2010.

TORRES. Lorena Grangeiro de Lucena. MARTINS. Dayse Braga. CAÙLA. Bleine Queiroz. Mineração, desenvolvimento econômico e sustentabilidade ambiental: a tragédia de mariana como parâmetro da incerteza. Diálogo Ambiental, Constitucional e Internacional. Vol.6. Rio de Janeiro: Editora Lumens Juris. 2016.

WARAT, Luis Alberto. Por quien cantan las sirenas: informes sobre eco-ciudadania, género y derecho: incidencias

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *
You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>