Publicações → Revista Direito Diário, 4ª Edição v. 1, n.1, abr/jun 2019 → Artigo: O PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E A (...
O PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DA LEI Nº 13.152/2015: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS CONDIÇÕES SOCIOECONÔMICAS E CULTURAIS DO TRABALHADOR ASSALARIADO BRASILEIRO
ISSN: 2595-1408
Por Luiz Alberto Fagundes Jorgens
Leia esse artigo
Resumo

A Constituição da República Federativa do Brasil promulgada no ano de 1988, após longo período de Ditadura Militar, ocasião em que ocorreram atrocidades, perseguições, desaparecimentos e mortes ainda sem solução, tem como um de seus fundamentos a dignidade da pessoa humana e é considerada o centro de convergência das leis do Ordenamento Jurídico, uma vez que é a norma máxima e suprema no país. Neste viés, a partir de uma pesquisa qualitativa bibliográfica, com método de abordagem hipotético-dedutivo, o presente artigo analisa a constitucionalidade da Lei nº 13.152/2015 que regulamenta os reajustes do salário mínimo nacional em face do princípio da dignidade da pessoa humana, uma vez que o valor atual do salário em 2018 (R$ 954,00), não é suficiente para garantir o mínimo existencial e os direitos sociais previstos no texto constitucional. Assim, inicialmente há uma abordagem acerca da dignidade e dos direitos sociais dos trabalhadores brasileiros; e na sequência uma discussão sobre os índices do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e Banco Mundial, bem como acerca da constitucionalidade da Lei nº 13.152/2015. Dessa forma, a pesquisa reconhece a existência de inconstitucionalidade da referida Lei com relação ao princípio da dignidade da pessoa humana, a partir das condições socioeconômicas e culturais do trabalhador assalariado brasileiro.

Palavras-Chave: Princípio da Dignidade. Salário mínimo. Lei nº 13.152/2015. Inconstitucionalidade.

Abstract

The Constitution of the Federative Republic of Brazil promulgated in 1988, after a long period of military dictatorship, when atrocities, persecutions, disappearances and deaths were still unresolved, has as one of its foundations the dignity of the human person and is considered the center of convergence of the laws of the Legal Order, since it is the maximum and supreme norm in the country. In this bias, based on a qualitative bibliographical research, using a hypothetical-deductive approach, this article analyzes the constitutionality of Law 13.152/2015 that regulates the national minimum wage readjustments in the face of the principle of the dignity of the human person, since the present value of the salary in 2018 (R$ 954,00), is not enough to guarantee the existential minimum and the social rights foreseen in the constitutional text. Thus, initially there is an approach about the dignity and social rights of Brazilian workers; and following a discussion on the IBGE, DIEESE and World Bank indices, as well as on the constitutionality of Law nº 13.152/2015. Thus, the research recognizes the existence of unconstitutionality of said Law in relation to the principle of the dignity of the human person, based on the socioeconomic and cultural conditions of the Brazilian salaried worker.

Keywords: Principle of Dignity. Minimum wage. Law 13.152/2015. constitutionality.

Referências

ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Constitucional Descomplicado. 15ed. São Paulo: Método, 2016.

ARNS, Paulo Evaristo. Brasil nunca mais. 20ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1987. 

BARBOSA, José Humberto Gomes. A Guerrilha do Araguaia: memória e esquecimento e ensino de história na região do conflito. Dissertação de Mestrado (Mestrado Profissional em Ensino de História). Araguaia/TO: UFT, 2016. Disponível em: <https://repositorio.uft.edu.br/bitstream/11612/398/1/Jos%C3%A9%20Humberto%20Gomes%20Barbosa%20-%20Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em 13 ago. 2018.

BARROSO, Luís Roberto. A Dignidade da Pessoa Humana no Direito Constitucional Contemporâneo: A Construção de um Conceito Jurídico à Luz da Jurisprudência Mundial. tradução Humberto Laport de Mello. Belo Horizonte: Fórum, 2013.

BEAL, Sophia. Obras públicas monumentais, ficção e o regime militar no Brasil (1964-1985). Revista Escritos, Ano 4, n. 4, 2010. Disponível em: <http://www.casaruibarbosa.gov.br/escritos/numero04/artigo10.php>. Acesso em 20 abr. 2018.

BELLINGIERI, Julio Cesar. A Economia no Período Militar (1964-1984): Crescimento com endividamento. Revista Hispeci & Lema, Bebedouro (SP), n. 8, 2005. Disponível em <http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/hispecielemaonline/sumario/9/16042010171928.pdf>. Acesso em 06 ago. 2018.

BRASIL. Ato Institucional nº 2, de 27 de outubro de 1965. Mantem a Constituição Federal de 1946, as Constituições Estaduais e respectivas Emendas, com as alterações introduzidas pelo Poder Constituinte originário da Revolução de 31.03.1964, e dá outras providências. Brasília, 27 out. 1965. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ait/ait-02-65.htm>. Acesso em 30 ago. 2018.

_____. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em 20 abr. 2018.

_____. Decreto-Lei nº 399, de 30 de abril de 1938. Aprova o regulamento para execução da Lei n. 185, de 14 de janeiro de 1936, que institui as Comissões de Salário Mínimo. In: Diário Oficial da União, 30 abr. 1938. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-399-30-abril-1938-348733-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em 20 abr. 2018.

_____. Decreto-Lei nº 2.162, de 1º de maio de 1940. Institui o salário mínimo e dá outras providências. In: Diário Oficial da União, 1 maio 1940. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2162-1-maio-1940-412194-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em 20 abr. 2018.

_____. Lei nº 185, de 14 de janeiro de 1936. Institui as comissões de salário mínimo. Rio de Janeiro, 14 jan. 1936. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-185-14-janeiro-1936-398024-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em 20 abr. 2018.

_____. Lei nº 13.152, de 29 de julho de 2015. Dispõe sobre a política de valorização do salário-mínimo e dos benefícios pagos pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS) para o período de 2016 a 2019. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 29 jul. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13152.htm>. Acesso em 20 abr. 2018.

_____. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 5880/DF. Relator(a):  Min. Luiz Fux. Requerente: Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical. Julgamento em 28/02/2018. Disponível em: <http://stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28ADI%24%2ESCLA%2E+E+5880%2ENUME%2E%29+NAO+S%2EPRES%2E&base=baseMonocraticas&url=http://tinyurl.com/yda2wyaj>. Acesso em 15 out. 2018.

CENTRO PELA JUSTIÇA E O DIREITO INTERNACIONAL (CEJIL). Corte Interamericana condena Brasil pela impunidade e acobertamento da tortura e execução de Vladimir Herzog durante ditadura militar. Rio de Janeiro, 05 de julho de 2018. Disponível em <https://www.cejil.org/sites/default/files/2018_07_05_herzog_sentenca-2.pdf>. Acesso em 13 ago. 2018.

CHAVES, Eduardo dos Santos. A Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e a construção social da ditadura civil-militar no Rio Grande do Sul. Temporalidades, Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, Belo Horizonte, v. 5, n. 3, set./ dez. 2013. Disponível em: <www.fafich.ufmg.br/temporalidades>. Acesso em 20 abr. 2018.

CYSNE, Rubens Penha. A economia brasileira no período militar. Escola de Economia, FGV, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 185-226, mai./ago.1993. Disponível em: <http://www.fgv.br/professor/rubens/HOMEPAGE/publica%C3%A7%C3%B5es/Artigos%20publicados/A%20Economia%20Brasileira%20no%20Regime%20Militar. pdf>. Acesso em 20 abr. 2018.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIECONÔMICOS (DIEESE). Pesquisa nacional da Cesta Básica de Alimentos. Disponível em: <https://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html>. Acesso em 20 out. 2018.

DIZER O DIREITO. STF muda sua jurisprudência e adota efeito vinculante de declaração incidental de inconstitucionalidade. Publicação de 23 de dezembro de 2017. Disponível em: <https://www.dizerodireito.com.br/2017/12/stf-muda-sua-jurisprudencia-e-adota.html>. Acesso em 20 out. 2018.

GOMES, Ângela de Castro. A trajetória política de João Goulart. FGV, CPDOC. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/Jango/artigos/NoGovernoGV/Salario_minimo_e_saida_do_ministerio_do_trabalho>. Acesso em 20 abr. 2018.

GUERRA FILHO, Willis Santiago. Processo constitucional e direitos fundamentais. 5ed. São Paulo: RCS Editora, 2007.

KELSEN, Hans. Teoria geral das normas. Porto Alegre: S.A. Fabris, 1986.

LÚCIO, Clemente Ganz. Inflação e custo de vida: porque os números enganam? Agência Sindical – Comunicação à Serviço dos Trabalhadores, 16 de fevereiro de 2018. Disponível em: <http://www.agenciasindical.com.br/lermais_materias. php?cd_materias=8462&friurl=-1622018---Inflacao-e-custo-de-vida:- por-que-os-numeros-enganam>. Acesso em 15 mar. 2018.

NOVELINO, Marcelo. Curso de direito constitucional. 11ed. Salvador: JusPodivm, 2016.

OLIVEIRA, Nielmar de. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha da pobreza. Agência Brasil, Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 2017. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-12/ibge-brasil-tem-14-de-sua-populacao-vivendo-na-linha-de-pobreza>. Acesso em 19 abr. 2018.

OLIVEIRA, Erival da Silva. Prática Constitucional. 7ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro 1948. Disponível em: <http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf>. Acesso em 07 set .2018.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Convenção nº. 131, de 1970, ratificada pelo Brasil em 04 de maio de 1983 e internalizada ao direito interno pelo Decreto nº 89.686/84. Disponível em: <https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/lang--pt/index.htm>. Acesso em 06 set. 2018.

PAIM, Paulo. Salário Mínimo: uma história de Luta. Senado Federal, Brasília, 2005. Disponível em: <https://www2. senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/180154/SalMinimo.pdf?sequence=1>. Acesso em 20 abr. 2018.

RESENDE, Marília Ruiz e. Contexto: Auge e Declínio da ditadura militar. Politize, 08 de outubro de 2015. Disponível em: <http://www.politize.com.br/constituicao-de-1988/>. Acesso em 15 abr. 2018.

SANTOS, Vitor Garcia Rodrigues dos. Caso Riocentro: Terror e violência no processo de abertura política brasileiro. Revista Contemporânea. 50 anos depois, a cultura autoritária em questão. Ano 4 n. 5, 2014, vol.1. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/nec/sites/default/files/10_Caso_Rio_Centro_Terror_e_violencia_no_processo_de_abertura_politica_brasileiro.pdf>. Acesso em 06 ago. 2018

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 8ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

_____. O direito ao mínimo não é mera garantia de sobrevivência. Revista Consultor Jurídico, São Paulo, 08 de maio de 2015. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2015-mai-08/direitos-fundamentais-assim-chamado-direito-minimo-existencial o artigo está disponível>. Acesso em 10 abr. 2018.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

SENA, Max Emiliano da Silva. O trabalho digno como meio de inclusão social no ordenamento jurídico brasileiro. XXV Congresso do Conpedi, Curitiba, 2016. Disponível em: <http://www.conpedi.org.br/publicacoes/02q8agmu/zwub6y85/f8C4j78b9mY3cgvo.pdf>. Acesso em 30 set. 2018.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional positivo. 25ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

SIQUEIRA JUNIOR, Paulo Hamilton. Direito Processual Constitucional. 6ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

VELOSO, Fernando A.; VILLELA, André; GIAMBIAGI, Fábio. Determinantes do Milagre Econômico Brasileiro (1968-1973): Uma análise empírica. RBE, Rio de Janeiro, v. 62, n. 2, p. 221-246, abr./jun.2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbe/v62n2/06.pdf>. Acesso em 20 abr. 2018.